Caso não esteja visualizando, clique aqui.

Nº 01 /maio 2013
O PERIGO DE CONTRATAR VOZ E DADOS DA MESMA OPERADORA

Claudio Abreu, sócio-diretor da Vialink, escreveu recentemente este artigo, que foi publicado no site da revista PC Magazine.

O mercado de voz e dados está cada vez mais competitivo e as operadoras estão apelando para tudo, desde preços muito baixos a combinações (combos) de vários produtos. O mercado residencial já experimenta isso há muito tempo, com produtos tipo “combo”, que unem voz e dados (internet), ou voz, dados e TV por assinatura. Para empresas, o mais comum são pacotes que unem telefone e internet da mesma operadora.

Leia a Matéria
Curtinhas da Via

Air Fiber em céus tropicais com a Vialink


Vocação pioneira. Pode ser clichê, mas é verdade. A Vialink foi a primeira empresa da América Latina a adquirir o recém-lançado Air Fiber, um rádio norte-americano de última geração, que atinge uma velocidade 30 vezes maior do que a de um rádio comum. O equipamento funciona na nova banda brasileira de 24GHz que, homologada recentemente pela Anatel, tem poucos usuários e, por isso, é bem menos poluída.

Contratando!


Depois da recente criação da área de Comunicação e Marketing, a Vialink continua a fazer contratações, em resposta à crescente demanda dos novos projetos. No último mês, após um rigoroso processo de seleção, foram recrutados mais 2 estagiários e 3 profissionais de desenvolvimento de sistemas. Até o final do ano, a equipe deve aumentar 30%.

[F5] Atualizar

Googlenovidade


A gigante norte-americana, através de sua conferência anual de desenvolvedores, ocorrida em maio, anunciou um novo serviço de streaming de música por assinatura para competir com Grooveshark, Spotify e Pandora, entre outros. O Google Music All Access, como é chamado, já está disponível nos EUA para os sistemas Web e Android, mas ainda não tem previsão de chegada ao Brasil.

Previsões do Ministro Dinah


No último dia 16, o ministro das comunicações, Paulo Bernardo, previu que a internet estará disponível para 90% dos brasileiros até 2018. Apesar de duvidosa, a meta foi estipulada com base nos investimentos maciços para a Copa e as Olimpíadas e nos dados divulgados pela Associação Brasileira de Telecomunicações: o país soma atualmente 93,6 milhões de acessos, correspondente a pouco mais de 47% da população.